Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Professores do Paradesporto falam sobre sua experiência

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Divulgação

Quinta, 9/8/2018 10:10.

Na Semana Nacional da Pessoa com Deficiência, de 21 a 28 deste mês, o Núcleo de Paradesporto da Fundação Municipal de Esportes (FMEBC) preparou atividades relacionadas em algumas escolas. Elas são coordenadas pela diretoria de Esportes Comunitários e executadas pelo Núcleo de Paradesporto, que hoje possui quatro profissionais especializados: Alba Cristina Sobreira Garcia, Caike Rovigo, Gévelyn Cássia Almeida de Quadros e Tabata Aparecida Zuchi.

Segundo a diretora de Esportes Comunitários, Mariana Dalvesco, o projeto criado em 2017 para incluir deficientes às práticas esportivas atendeu no primeiro ano sete escolas municipais, uma escola particular, e esteve presente em cerca de cinco eventos.

As modalidades ofertadas são: atletismo adaptado (deficientes físicos, visuais e intelectuais); Voleibol sentado (deficientes físicos); Bocha paralímpica (deficientes físicos e intelectuais); Futebol de 5 (deficientes visuais); Basquetebol e handebol em cadeira de rodas (deficientes físicos) e Oficina de interação com os paratletas.

“É uma oportunidade para que alunos e professores possam experimentar as limitações que o deficiente físico possui e as ferramentas que podem ser utilizadas para a inclusão de todos através do esporte”, disse Mariana.

Durante a Semana da Pessoa com Deficiência a Fundação levará o projeto a três centros educacionais municipais (Tomaz Garcia/Vereador Santa/Nova Esperança), uma escola estadual (Higino Pio) e à Faculdade Avantis.

A reportagem conversou com os professores de esportes adaptados para saber como é esta experiência. Eles se dividem entre iniciar pessoas com deficiência na prática desportiva e outros em melhorar cada vez mais as marcas dos seus atletas de rendimento. Balneário tem muitos atletas com deficiência com títulos estaduais, nacionais e até mundial.

Acompanhe os depoimentos:

Gévelyn e suas atletas de handebol em cadeiras de rodas

Gévelyn Cássia Almeida de Quadros (atletismo e handebol em cadeira de rodas. É também atleta em destaque nacional) 

“O trabalho que viemos realizando com o paradesporto é de sensibilização. Procuramos levar a temática da pessoa com deficiência e o trabalho que vem sendo realizado pelos professores e pela Fundação Municipal de Esportes de uma forma mais próxima ou seja buscando por meio da inclusão e do projeto paradesporto nas escolas levar a vivência das modalidades adaptadas ofertadas pelo município. A resposta tem sido extremamente gratificante estamos tendo uma grande receptividade por parte também dos profissionais da rede municipal e principalmente dos alunos e da importância da igualdade e oportunidade para todos. O esporte transforma, educa e conscientiza, buscamos com o projeto não só captar novos atletas para fortalecer a equipe de paradesporto principalmente a nível escolar, mas é preciso trabalhar a conscientização sobre as diferenças para que a inclusão aconteça de forma plena em todos os quesitos. Colaboramos para uma sociedade mais justa e igualitária buscando cada vez mais trabalhar a inclusão de pessoas com deficiência em diferentes espaços na sociedade”.

Alba Cristina Sobreira Garcia (basquete em cadeiras de rodas e bocha paralímpica)

Alba e seus campeões

“Treinamos basquete toda terça e quinta no CEM Nova Esperança, das 19 às 22h30, é aberto ao público. Atualmente estamos em sétimo lugar no Brasileiro e somos a única equipe do sul do país a participar da primeira divisão nacional. Este ano iremos novamente representar SC no Campeonato Brasileiro e tentaremos nos manter na primeira divisão. Também estamos participando do estadual, promovido pela Federação Catarinense de Basquete em Cadeira de Rodas. Na bocha paralímpica estou preparando os atletas classificados em suas categorias: BC1 - Anelyse Nunes; BC2 - Gabriel Prezzi (campeão brasileiro, campeão do ParaJesc e foi convocado para a seleção catarinense na Paralimpíada em novembro e eu serei a técnica da seleção catarinense; BC4 - Neucir Francisco Borsatto, Kleverton Luiz Favaretto e Evandro Rodrigues da Rosa. Treinamos toda segunda, terça e sexta das 14h30 às 17h30 na Afadefi. É aberto a quem se interessar. Trabalhar com pessoas deficientes significou uma mudança muito grande de valores e de conceitos. Através desse trabalho consegui verificar que muitas vezes a gente dá importância para coisas tão supérfluas que esquecemos o principal, que é o amor ao próximo. Me sinto realizada tanto profissionalmente como quanto ser humano porque é muito importante saber que estou ajudando a reconstruir a vida, a colocá-los novamente em contato com a sociedade”.

Tabata Aparecida Zucchi (atletismo)

Tábata e sua turminha

“Com esta programação de uma semana, o principal objetivo é mostrar e fazer com que os envolvidos saibam como é o dia a dia das pessoas que possuem alguma limitação, deficiência. Já realizamos o projeto Paradesporto nas Escolas, que tem como público os alunos da rede municipal de ensino, ensino fundamental, onde também buscamos juntamente com os atletas, mostrar pra eles as rotinas de treinos e a diferença que o esporte fez na vida deles. Tendo uma troca de vivência, experiência e de carinho maravilhosa entre todos. Este é o meu primeiro ano trabalhando com eles e está sendo uma experiência e tanto, a cada dia durante nossas manhãs e tardes de treinos, aprendo mais. Para eles não tem tempo ruim, não tem dificuldade que os impeça de tentar qualquer coisa. Eles nos transmitem uma alegria que faz com que esquecemos de tudo aquilo que não nos acrescenta! É desafiador, porém somos recompensados ver um sorriso de orelha a orelha em cada um deles”.

Caique Rovigo (atletismo)

Caique com seus atletas de rendimento

“Atualmente temos 35 atletas no paratletismo, 21 são adultos de rendimento. Os nossos destaques são: Suelen Marcheski de Oliveira (campeã mundial juvenil); Paulina Pereira da Silva e Gevelyn de Quadros (campeãs para pan-americana FISU American Games e Gevelyn está atualmente entre as três melhores atletas do mundo no lançamentos dardo F55); Mike França Teply (seleção brasileira sub-19 de Fut7 e atualmente jogando a Copa do Mundo de Fut7 na Espanha). Temos também os atletas que irão para a Paralimpíada Escolar em novembro em São Paulo: Atletismo (Caroline Gomes de Castro, Brendha Bensberg Sanches e Karine Vitória da Silva Richter); Fut7 (Maike França Teply) e Goobool (Lucas Rafael Salvador). Trabalhar com pessoas com deficiência para mim é um sonho. Cada dia é uma conquista. Já tive grandes resultados (citados acima) e cada conquista deles é a realização de um sonho. Este projeto da Fundação é muito bacana, abre oportunidades e cada conquista deles é um avanço no trabalho que realizamos”.

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade